Delivery de comida em BH (regiões oeste/centro-sul): quais são meus preferidos

Já era adepta do delivery (e rainha dos cupons) antes da pandemia do Coronavírus. Trabalhando em home office há mais de um ano, frequentemente pedia meu almoço (e um docinho à tarde ou no fds, já que sou uma verdadeira formiga) pelos apps de comida. Durante a quarentena, meu marido também passou a trabalhar emContinuar lendo “Delivery de comida em BH (regiões oeste/centro-sul): quais são meus preferidos”

Os textos que não escrevi

Como fiquei um “mau tempo” sem escrever com frequência, acabei deixando de relatar algumas coisas, situações — e minhas percepções sobre elas — que eu gostaria muito de ter registrado. Acredito que a principal tenha sido a conversa que tive com um barqueiro em Guarapari- ES, na virada de 2013 para 2014, durante um passeioContinuar lendo “Os textos que não escrevi”

Por que fugimos de conversas difíceis e evitamos assuntos “desconfortáveis”

Sabe aquele ditado de que política, futebol e religião não se discute? Eu não poderia discordar mais! Essa mania (ou poderia chamar de hábito cultural?) que grande parte das pessoas tem de evitar a todo custo se expor e, principalmente, se indispor com os demais, deixando de pontuar seus incômodos e percepções em geral, podeContinuar lendo “Por que fugimos de conversas difíceis e evitamos assuntos “desconfortáveis””

Fragmentos de conversas da quarentena

Essa semana recebi a notícia da morte de um conhecido, com quem tive uma convivência mais ou menos próxima na época da universidade — embora não fôssemos pessoalmente próximos, tínhamos muitos amigos em comum. Desde então, venho pensando e refletindo sobre várias coisas (algumas, na verdade, já estavam martelando aqui dentro há algum tempo eContinuar lendo “Fragmentos de conversas da quarentena”

Pelas ruas do Prado

Por falta de grana (e de ânimo também, confesso) para fazer academia, acabei ficando um bom tempo completamente sedentária. Trabalhando de casa (faço freelas de produção de conteúdo), essa situação só se agravou. Às vezes, passava dias e dias sem sequer colocar os pés na rua. Meu condicionamento, que já não era dos melhores, foiContinuar lendo “Pelas ruas do Prado”

Ainda ontem, chorei de saudade

Porque crescer, dói! Não tenho chorado muito, mas, um dia desses, chorei de saudade. Não visito meus familiares desde o último Natal. Sinto falta dos meus irmãos, das minhas primas, dos filhos(as) delas (meu afilhado e meus “sobrinhos(as)” do coração) e, ultimamente, mais ainda do colo da minha mãe. Hoje, tenho a liberdade que sempre quisContinuar lendo “Ainda ontem, chorei de saudade”

Escrever e/ou maquiar? Eis a (minha) questão!

Minha versão de “não sei se caso ou se compro uma bicicleta”. Ano passado, meu (então) psicólogo me pediu para escrever um texto sobre maquiagem. No ano anterior, minha coach maravilhosa (beijo, Gi!) também já havia me sugerido algo parecido. Até agora, eu não achava uma ideia muito boa. Entendia a tentativa de unir duas dasContinuar lendo “Escrever e/ou maquiar? Eis a (minha) questão!”

Eu cansei de ser essa metamorfose ambulante…

Experimentar, testar, mudar de rumo, de opinião… Tudo isso é muito bom. Até certo ponto. Chega uma hora em que cansa. Queremos ter algumas definições e saber, pelo menos, que estamos no caminho certo — ou algo próximo disso. Eu, que não sofri quase nada para decidir para que ia prestar vestibular (a área de Comunicação sempreContinuar lendo “Eu cansei de ser essa metamorfose ambulante…”